Mamografia Digital

Mamografia é uma imagem radiográfica da mama produzida através de um aparelho de raio-X chamado Mamógrafo.

Normalmente faz-se duas radiografias de cada mama, podendo necessitar alguma incidência complementar.

A mama é colocada entre duas bandejas de acrílico e é realizada uma compressão moderada para que a estrutura mamária fique com uma espessura uniforme permitindo a distribuição igual da radiação.

A mamografia digital usa computadores e detectores desenvolvidos para obter a imagem digitalizada da mama, permitindo ao médica visualizar as imagens, nódulos ou calcificações com os recursos de ampliação, zoom eletrônico, ajustando brilho e contraste na estação de trabalho (Workstation) logo após a paciente realizar o exame. Uma vantagem da mamografia digital é que esta poderá ser mais eficaz para diagnosticar tumores em mamas densas, devido a ter uma faixa de contraste mais ampla do que a da mamografia convencional, assim como facilita a análise das calcificações mamárias e evita a necessidade de re-convocar a paciente para a repetição do exame.

Hoje, a mamografia digital já é realidade nas nossas duas Unidades, Garibaldi e Vale do Canela. É um método de imagem que provou que pode salvar vidas, é o melhor exame que temos na atualidade, mas sabemos que a mamografia não detecta todos os cânceres e que necessita diminuir falso-negativos e falso-positivos, e por esta razão, deverá sempre que possível ser complementada com a Ultra-sonografia mamária e com o exame físico das mamas realizado por um mastologista.

A mamografia deverá ser realizada preferencialmente após a menstruação ou em qualquer dia para as mulheres menopausadas a fim de amenizar o desconforto do exame.

A partir dos 40 anos de idade deverá ser feita anualmente, ou seja, a cada 12 meses e a partir dos 35 anos, poderá ser bianual ou anual, de acordo com os achados mamográficos e história de câncer de mama na família.

A tecnologia da mamografia digital segue avançando e, no futuro, existe a possibilidade de utilização do meio de contraste que, à semelhança da ressonância magnética, impregna as lesões tumorais devido à neoangiogênese. A Ressonância Magnética das mamas é também um ótimo exame para o diagnóstico tumores mamários, mas não é um exame de rastreamento.

O avanço tecnológico poderá ajudar a solucionar muitos problemas e oferecerá todas as possibilidades para o diagnóstico precoce e quem sabe, para a prevenção do câncer.