A importância da mamografia digital no diagnóstico precoce do câncer de mama.

Segundo dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer), o câncer de mama é o segundo mais freqüente e o que mais causa a morte de mulheres no Brasil. A detecção precoce é a chave para o tratamento conservador da mama e a mamografia digital é a melhor forma de descobrir o câncer de mama antes que seja percebido no exame clínico.

O Dia Nacional da Mamografia é celebrado no dia 05 de fevereiro, logo após o dia internacional do combate ao câncer para reforçar a importância do exame que identifica o câncer de mama em dimensões mínimas . No Brasil a estimativa do INCA é de 57 mil novos casos de câncer de mama ao ano com 14 mil casos de morte.

A mamografia digital não tem radiação suficiente para causar danos ao corpo, sendo o benefício da detecção precoce muito maior do que o rápido desconforto durante a realização desse exame.

Mamografia é uma imagem radiográfica da mama produzida através de um aparelho de raio-X chamado Mamógrafo. Normalmente faz-se duas radiografias de cada mama, podendo necessitar alguma incidência complementar.

A mama é colocada entre duas bandejas de acrílico e é realizada uma compressão moderada para que a estrutura mamária fique com uma espessura uniforme permitindo a distribuição igual da radiação.

A mamografia digital usa computadores e detectores desenvolvidos para obter a imagem digitalizada da mama, permitindo ao médico visualizar as imagens, nódulos ou calcificações com os recursos de ampliação, zoom eletrônico, ajustando brilho e contraste na estação de trabalho (Workstation) logo após a paciente realizar o exame. Uma vantagem da mamografia digital é que esta poderá ser mais eficaz para diagnosticar tumores em mamas densas, devido a ter uma faixa de contraste mais ampla do que a da mamografia convencional, assim como facilita a análise das calcificações mamárias e evita a necessidade de re-convocar a paciente para a repetição do exame.

A mamografia deverá ser realizada preferencialmente após a menstruação ou em qualquer dia para as mulheres menopausadas a fim de amenizar o desconforto do exame.

Em países desenvolvidos, a recomendação para a realização da mamografia é a partir dos 40 anos, atingindo cerca de 95% de cura nos tumores diagnosticados no inicio e tratados adequadamente.

No Brasil, estudos mostram que o câncer aparece mais cedo, em mulheres na faixa dos 50 anos ou até menos, exigindo ainda mais atenção na realização dos exames preventivos.

A Organização Mundial da Saúde recomenda que 70% das mulheres com mais de 40 anos realize mamografia todo ano. Levantamento da Sociedade Brasileira de Mastologia e da Rede Goiana de Pesquisa em Mastologia mostra que ainda estamos longe de atingir essa meta. A maior cobertura ocorre em Santa Catarina (31,35) e a menor no Pará (7,5%).

Quando a mamografia é recomendada:

  • Entre 35 e 40 anos as mulheres devem realizar o primeiro exame, que servirá de base para avaliar as condições da mama em comparação à exames futuros;
  • Antes dos 35 anos em casos de familiares de primeiro grau com câncer de mama em idade inferior a 45 anos;
  • Após os 40 anos a mamografia deve realizada anualmente de acordo com a orientação da Organização Mundial da Saúde;
  • Antes de cirurgia redutora das mamas ou aumento com colocação de implantes de silicone - caso indicado pelo mastologista ou cirurgião plástico